4 de junho de 2011

SEJA O MELHOR!


Certo dia, em um conselho de classe de uma das escolas nas quais trabalho, iniciou-se uma saudável discussão entre o corpo docente sobre o critério que seria adotado para premiar um grupo de alunos com um passeio.
A resposta me pareceu óbvia e foi sugerida na mesma velocidade em que me veio ao pensamento: selecionar os alunos com melhores rendimento e comportamento.
Entretanto, para minha surpresa, a idéia foi rechaçada por alguns nobres colegas sob a alegação de que não se pode “EXCLUIR” de uma premiação os alunos que não tem interesse nos estudos. Alunos que, por maiores que sejam os esforços externos de todos os lados, insistem em manter os piores comportamentos. Alunos que se aproveitam do rótulo de - “coitados, a vida foi severa com eles”- para justificar a opção pelo caminho mais fácil. O caminho da apatia, da preguiça, da indisciplina e, consequentemente, do fracasso.
O que me causou espanto não foi a essência do argumento. Até porque escuto esse tipo de citação pelos quatro cantos dos “grandes pensadores” e “ilustres pedagogos” que regem o exemplar sistema educacional de nosso país. Preocupante foi ouvir tal falácia de colegas de ofício lutadores do cotidiano (concursados, diga-se de passagem). Mestres da vida real que superam milhares de dificuldades todos os dias para serem bons no que fazem.
Pois meu critério será sempre o mesmo adotado pela rainha suprema da sabedoria: A VIDA.
Meus caros alunos. Na vida real só alcança o paraíso os bons. E digo em todos os sentidos.
Não conheço quem tenha passado em um bom concurso público, militar ou vestibular sem ter se dedicado muito. Estude para ser o 1º colocado e, com certeza, passará.
As modelos mais requisitadas foram as mais persistentes e disciplinadas, além de belas. Os jogadores mais insistentes e dedicados chegam a ser profissionais. Os empresários mais perseverantes e obstinados são os mais ricos.
Se for o melhor será capaz de mudar a sua, a minha, a nossa realidade para melhor.
Portanto, chegue ao seu máximo. Não meça esforços para ser o melhor no que se propuser a fazer. Caso contrário, o máximo que terá conseguido na vida será um passeio escolar.